A História de Maria Madalena

A História de Maria Madalena

UMA MULHER DE AMOR E DIGNIDADE

O que foi isso?! Meu corpo inteiro se contorceu em dor e horror quando ouvi um grito de puro terror saindo da minha própria boca! Quem sou eu? O que produziu aquele grito estranho e tenebroso? Por que o ranger, puxar e rasgar dentro de minhas entranhas, como uma onda que começava nos dedos dos pés, subia por todo o corpo e aparentemente saía pela boca, acompanhado daquele grito que me perfurava os ouvidos? O que aconteceu?

Quando tudo isso de repente acabou, tendo drenado todas as minhas forças, senti a mais profunda paz. A sensação que me dominou era de estar limpa, inteira e amada, envolta em um manto de calor e aconchego que eu nunca havia experimentado em toda a minha vida. E então, eu O vi... Eu realmente vi o homem que eles chamavam de Jesus. Seus olhos eram um mar de compaixão, enquanto me envolviam com amor e aceitação, que me fizeram responder com soluços de profundo arrependimento e remorso por toda a minha vida antes daquele momento... a vida de pecado e rebeldia, uma vida sem propósito ou significado, uma vida vivida para satisfazer os desejos exigentes e libidinosos da minha carne, uma vida sem esperança. Assim era minha vida, mas desde o momento em que Ele veio, tudo mudou. De repente, eu tinha certeza de que Ele era, de fato, o Messias prometido para salvar e purificar aqueles que Nele acreditavam, e também tinha certeza de que Ele tinha me chamado para Si.

Aqueles seres malignos que haviam me controlado, os sete demônios que exigiam toda a minha lealdade e usaram meu corpo para fazer seus atos malignos, foram EMBORA! Eu estava LIVRE, SEM ALGEMAS, gloriosa, maravilhosamente leve e cheia de alegria! Como eu poderia louvá-lo o suficiente? Naquele momento, naquele lugar, prometi a mim mesma que seria sempre Sua serva, Sua filha e Sua companheira no que Ele viesse a fazer, e que eu lhe ofereceria tudo o que tenho: dinheiro, alojamento, comida e lealdade para sempre. Eu O seguiria por todos os meus dias nesta Terra, fazendo o que Ele me destinou a fazer: levar as boas novas do Evangelho a todos os que conheci. E eu O segui enquanto Ele continuava Seu ministério terrestre, e mesmo até a morte na cruz, derramando Seu Sangue pelos pecados do mundo inteiro, embora isso tenha me causado muita dor e uma sensação de terrível perda ao testemunhar, com as outras mulheres, Seu corpo sangrando na cruz. Eu estava inconsolável, e mal podia esperar pelas primeiras horas da manhã para ir ao túmulo e ter certeza de que Seu corpo seria cuidado enquanto Ele permanecia naquele sepulcro frio.

Bem cedo pela manhã, fui com algumas das mulheres que também O viram morrer, esperando que nos dissessem para onde haviam levado o meu Senhor, e como poderíamos encontrá-LO. Foi então que ouvi uma palavra, “Maria”. Não havia como não identificar aquela voz, aquela palavra envolta em amor e que ressoava em meu coração machucado. EU SABIA que era ELE... o mesmo que havia dito meu nome antes, quando Ele me chamou à vida. ELE ESTÁ VIVO, ELE ESTÁ VIVO, ELE VOLTOU DOS MORTOS! Meu corpo mal podia conter a plenitude de alegria que me inundou ao desejar abraçar suas pernas e pés enquanto me curvava para adorá-LO. Mas, Ele me pediu para não tocá-LO, pois ainda não havia ido ao PAI. Corri com todas as minhas forças para contar esta boa notícia aos outros discípulos, clamando alegremente puro louvor a Deus durante todo o caminho!

Querido Senhor Jesus, obrigada por vigiar com tanto zelo pela minha salvação, se revelando para minha libertação, limpeza, cura e transformação. Eu Te amo!

O restante da minha história pode ser encontrada nos registros do Novo Testamento.

By Mary Fawcett

 

Deixe um comentário

Os comentários devem ser aprovados antes de serem publicados